Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Anãozinho de Jardim

Livros e Desvarios

O Anãozinho de Jardim

Livros e Desvarios

Ora então muito bom dia a todos.
 
Hoje, para não falarmos de assuntos tristes... sim, sim, vi o jogo... decidi que era uma boa altura para vos presentear com um pouco de cultura geral. Assim sendo, e no sentido de esclarecer um pouco sobre o que se passa no mundo dos anõezinhos de jardim, resolvi escrever-vos sobre a distribuição europeia de anõezinhos de jardim e respectiva localização geográfica.
 
Para percebermos muito do que se passa neste Jardim, desgovernado e ingovernável, não podemos olhar somente para o nosso umbigo, caso contrário não só nos arriscamos a ficar com uma perspectiva incompleta das coisas como também nos arriscamos a não ver elementos que podem ser fundamentais para a sobrevivência do nosso Jardim.
 
A luta pela sobrevivência do nosso Jardim não é, nem nunca poderá ser, uma luta somente interna. Esta, é uma luta que também tem de passar pelo plano internacional e como temos de começar por algum lado, uma das primeiras coisas que se faz é olhar para os anõezinhos que estão imediatamente à nossa volta e com os quais - em determinados momentos - partilhámos uma história comum.
 
Por isso, da mesma maneira que quando estamos perdidos consultamos um mapa de estradas (ou usamos um GPS), quando queremos perceber mais qualquer coisa olhamos para o mapa europeu de anõezinhos de jardim, que é este:
 
 

  Nota: Cliquem no mapa se quiserem ver maior.


Hoje é dia de futebol no Jardim. Os anõezinhos benfiquistas andam doidos. Nem vale a pena conversar (ou tentar) com eles, porque as suas cabeças estão no Jardim das Túlipas.
De manhã, ouvi nas notícias da rádio, que estes anõezinhos - de roupagem encarnada - tinham, praticamente tomado de assalto o aeroporto. Inclusive, o próprio programa da rádio estava a ser transmitido em direto lá do sitio onde levantam e aterram as libelinhas. Dei comigo a pensar que estava tudo doido, mas não disse nada. Afinal cada um tem as suas prioridades, ainda que - por vezes - pareçam um pouco excêntricas. Pelo lado positivo da coisa, ao menos não se queixam da "trolagem" que anda por aí a dar cabo deste Jardim. Aliás, em boa verdade, depois de ouvir as notícias até fiquei com a sensação de que não haviam trolls aqui na mata e que a vidinha corria bem.
 
Convencida de que os anõezinhos encarnados tinham, temporariamente, emigrado para a terra das túlipas lá fui eu para o metro, pensando que a viagem seria calma e relaxante. Enganei-me. Pelo que tive oportunidade de aferir, «in loco», ou os anõezinhos encarnados não tomaram de assalto o aeroporto, ou a enchente de anõezinhos que estava na estação do metro era de outra cor e também pensou que hoje seria um bom dia, para utilizar a rede local de transportes públicos.
 
Seja como for, senti as minhas expectativas frustradas e senti-me ludibriada por um anãozinho, locutor de rádio, malvado e isso é algo que não está certo.
 


Sejam bem-vindos ao meu jardim, de onde vos escrevo à sombra de um cogumelo. Sim... é desses cogumelos vermelhos com pintinhas brancas, inapropriados para consumo humano. Contudo nós, os gnomos, podemos consumi-los à vontade porque já somos alucinados por natureza e como, certamente, saberão - de hoje em dia - só os alucinados conseguem sobreviver num jardim bonito, mas pejadinho de trolls.
 
Este é um espaço dedicado a desvarios, devaneios, exuberâncias, excêntricidades, inspirações, expirações (por causa da falta de ar, pois não queremos ficar roxos só por inspirar) e opiniões, enfim... dedicado ao que me passar pela cabeça na altura e sem qualquer tipo de garantia sobre a validade cientifica do que se escrever por aqui. Escrevo quando me apetece e porque me apetece, quando isso não acontece é porque não me apetece... ou porque estou a jogar warcraft... bom, às vezes também posso estar a trabalhar... sim, porque por enquanto ainda trabalho. Quando deixar de trabalhar, bem, nessa altura ofereço-me para fazer parte da Brigada anti-troll.
 
Adiante, este é o meu jardim e sintam-se à vontade para participar nos devaneios se assim o entenderem, mas lembrem-se, para participar é importante que respeitem as regras do jogo. Somos anõezinhos, mas não somos parvos.
 
Bem hajam.
HRM 

Pág. 2/2