Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Anãozinho de Jardim

Livros e Desvarios

O Anãozinho de Jardim

Livros e Desvarios

Qui | 15.08.13

Botões e coisas assim

Helena R. Moisio
Bom, eu já tinha avisado que hoje me estava a dar um bocado para o disparate (e ainda só vamos na hora de almoço), maneira que resolvi adicionar uma nova página a este blogue chamada Botões e Coisas assim

Nesta página vão encontrar, para começar, a campanha "Adopte um Senhor do Submundo" que vai ter botões dedicados a cada uma das personagens e que podem levar à vontade, se assim o entenderem. Faço isto por piada, porque me diverte e porque adorei a ideia de se poder "adoptar" um destes personagens (confesso que a culpa é do Strider, que me dava jeito ter cá em casa para pendurar uns candeeiros no tecto). 



Pelos diversos blogues e websites onde passei, não encontrei muitos botões (aliás só encontrei aqueles que podem ver aí do lado direito), e quis fazer qualquer coisa diferente que me lembrasse das personagens, que estivesse associado a elas e não aquilo que é a descrição física de cada uma.

Comecei pelo Torin por motivos óbvios, é o meu menino favorito e achei que mais valia começar por uma personagem pela qual tivesse alguma empatia e então pus-me a pensar, a pensar... e pensei: doenças... logo vacinas... vacinas... logo seringas e por aí adiante. Assim, cheguei ao botãozinho do Torin. 

Para o William, o meu menino favorito número 2, o exercício foi mais ou menos o mesmo até chegar aos Gummy bears, pois como sabem é algo que não lhe pode faltar. 

Portanto, foi isto que me saiu. Agora só tenho de repetir o exercício mais 11 vezes.

Ah! Peanuts! :)

 
Qua | 14.08.13

Mais um menino bonito na 6ª temporada do True Blood

Helena R. Moisio
Luke Grimes
Pronto! E é assim que atordoam uma pessoa. Não avisam, não dizem nada, vêm de pantufinhas e quando damos por ela, zuca! Já temos a burra nas couves.
 
Como já tinha referido numa ocasião anterior, eu não reajo bem a machos de cabelo comprido. O meu Q.I e a minha capacidade intelectual descem para níveis, absolutamente, pré-históricos e fico completamente incapaz de pensar, articular ou verbalizar o que quer seja.
 
Como calculam isto é uma catástrofe, uma tragédia e um drama sem paralelo para uma pessoa que se considera altamente inteligente (e sou, desculpem lá a falta de modéstia). É quase como sermos o Super-homem e depois sermos obrigados a usar um colar de kryptonite. É indecente é o que é. Eu aposto que tanto Darwin como Freud devem ter uma boa explicação para isto, mas enquanto eu estiver a olhar para estas fotos... palavras inteligentes e teorias brilhantes são duas coisas que não vão sair da minha boca e muito menos quero saber do Freud ou do Darwin.

 
Depois deste pequeno desabafo, este "piqueno" é o James (interpretado pelo actor Luke Grimes) e que aparece, pela primeira vez, no 5º episódio desta 6ª temporada e se não estou em erro, vai continuar a aparecer até ao fim. Obviamente, que um menino tão bonito como este - e para interpretar uma personagem tão, vampiricamente, "new age" como esta - só podia ser um aquariano. Como nós aqui veneramos os aquários (com e sem água, embora de preferência com), desejamos-lhe muito sucesso e que continue a aparecer nas próximas temporadas da série (até porque a malta não vive do ar e precisa de guito para pagar as contas).








?
?
Ter | 13.08.13

As 5 coisas que mais adorei no The Darkest Craving/Desejo mais Sombrio - Livro 10

Helena R. Moisio
Pois é verdade, uma pessoa estica, estica, estica mas o que é bom, normalmente, acaba depressa e depois temos de ficar à espera do próximo. Enfim, é a vida.
 
Como já tinha tido oportunidade de referir no post intitulado "The Darkest Craving (Sem trad. para português ainda) - Livro 10" (mas que tem tradução para português do brasil), o livro é sobre o Guardião do Desastre, Kane e se quiserem ler uma ou outra review é uma questão de pesquisarem no Google, porque já há imensas disponíveis por aí. Eu já li o livro, acho que está mesmo muito giro, inclusive creio que está até muito melhor do que o livro sobre o Paris (que é o The darkest seduction/ A sedução mais escura), e ficamos a conhecer muito melhor uma personagem que - tal como o próprio vai reiterando ao longo da sua história - é sempre deixada para trás por ser um desastre.
 
Neste décimo livro há cinco coisas que adorei em absoluto e desta vez vou mesmo hierarquiza-las porque têm uma ordem de preferência. Assim sendo, quais são estas 5 coisas que eu amei?


 
1º A descrição do quarto do Torin.
 
O Torin, o Guardião da doença, é - de longe - o meu menino favorito (ainda que logo seguido pelo William e pelo Paris). Foi marcado logo no primeiro livro, ia me dando uma sincope cardíaca quando quase lhe cortam a cabeça (o que me pôs a chamar nomes feios à autora), e desde então é o meu menino (não me perguntem porquê, não sei, eu só vejo qualidades no rapaz e espero que lhe arranjem uma mocinha à altura porque a cena de quase lhe cortarem a cabeça ainda me está um bocado atravessada na garganta!)... bom... adiante... a descrição do quarto do Torin apanhou-me um bocado de surpresa. Normalmente, a autora vai descrevendo os quartos de cada um dos personagens à medida que vai contando as histórias deles, mas nunca tinha sido muito específica acerca dos aposentos Torin. Sabíamos que havia computadores e tecnologia a dar com pau, mas pouco mais.
 
Confesso que eu pensava que, como o rapaz tem tanto cuidado com tudo o que faz por motivos inerentes ao seu demónio, ele era super-arrumadinho e organizadinho mas afinal não é bem assim. Não é arrumadinho, não é organizadinho e acreditem... não há nada que me deixe mais doida (no sentido de fula), do que ver garrafas de cerveja ou de outra coisa qualquer espalhadas pela mesa do computador e pelo chão. A roupa ainda vai, agora as garrafitas... tiram-me do sério. E como é que eu sei disto, perguntam-me vocês? Porque sou casada com um menino assim... e que por acaso também tem olhos verdes e tudo. Por isso, como podem ver, achei esta descrição estranhamente familiar.
 
2º O William.
 
Eu já concluí que é impossível não se gostar do Willy e portanto nem sequer vale a pena resistir-lhe. A descrição da relação de amor/ódio que ele tem com os 4 cavaleiros do apocalipse, que são "filhos" dele é absolutamente deliciosa. A forma como ele distorce tudo o que lhe dizem a seu favor é brilhante. O Kane chama Tinker Bell à sua namorada, o William chama-lhe Tinker Hell. O Kane diz que a sua namorada se chama Josephina, o William diz-lhe que se chama "Ivanna B. Withwilly" (Nota: não faço a menor ideia de como é que traduziram ou traduzirão estes trocadilhos da língua inglesa para o português, mas tenho a certeza absoluta que não é nada fácil). 
 
Por outro lado, sabemos também - desde o 2º livro - que o William é uma personagem altamente inteligente e que por trás de todas as suas brincadeiras e comportamento egoísta, ele tem um bom coração e faz o que pode para ajudar. Mais para o final do livro, ficamos a conhecer um William transtornado e dilacerado por perder a sua "filha" (que é um dos 4 cavaleiros do apocalipse). Isto causa alguma impressão porque nos mostra um William a que nós não estamos habituados e ficamos um bocado de boca aberta sem saber o que dizer ou o que pensar.
 
3º O Kane.
 
O Kane é a estrela do livro. É uma estrelinha que nós praticamente não conhecemos até chegarmos a este episódio e devo-vos dizer que é uma pena, porque ele é - efectivamente - um querido e um fofo ainda que constantemente acompanhado pelo desastre. Ele é uma personagem que, por muito que goste dos seus amigos, guarda muito ressentimento por ser sempre aquele que é deixado para trás. Por um lado ele compreende por que é que é assim, mas isso não quer dizer que não se ressinta. É muito giro assistir à evolução desta personagem e digo mais, é uma personagem muito bonita e extraordinariamente interessante.
 
4º Da aflição do Torin.
 
Ok, não é muito bonito a malta dizer que gosta da aflição dos outros mas eu sou portuguesa e como nós abrimos sempre excepções para tudo, para quê contrariar a natureza?
 
No livro 9 - The Darkest Seduction / A sedução mais escura - este meu fofo lindo faz um pacto com o Cronus (Nota: fazer pactos com quem quer que seja é sempre mau). O Torin guarda a chave do rei dos Titãs e em contrapartida o Cronus permite-lhe passar 24 horas com uma menina que o Torin possa tocar sem provocar uma pandemia. Ora qual é que é o problema disto? Como o rapaz passa mais tempo em frente ao computador do que, propriamente, a fazer outras coisas não leu as letrinhas miudinhas do contrato e o tiro saiu-lhe pela colatra. Ainda que o mundo esteja a salvo de uma pandemia provocada por esta coisinha linda, a rapariga não e isso deixa-o num grande desespero. E agora, para saber como é que isto vai acabar temos de esperar pelo próximo livro.
 
5º Dos 4 cavaleiros do apocalipse.
 
Por incrível que pareça, adorei os 4 cavaleiros do apocalipse. São 3 meninos e 1 menina lindíssimos apesar de mentalmente pouco sãos. Enfim, todos temos os nossos problemas e eles lá terão os deles. São eles: O vermelho, o preto, o verde e a branca. Se preferirem o Kane chama-lhes "rainbow rejects" e são os miúdos do William. São infantilmente cruéis mas, adoráveis e a relação deles com o "pai" é giríssima. Espero sinceramente que continuem a aparecer.
 
E pronto. Estas são as minhas 5 coisas favoritas acerca deste livro. Agora, não há outro remédio senão ficar à espera do próximo.      
Seg | 12.08.13

Vampiros à beira de um ataque de nervos - Sangue Fresco temporada 6

Helena R. Moisio
Hoje fazemos aqui um pequeno intervalo nas divagações sobre os nossos, queridos e fofos, Senhores do Submundo (até porque estou a ver se consigo estender a leitura do 10º livro que é para a coisa não acabar assim tão depressa), e vamos falar um pouquinho da 6ª temporada do True Blood / Sangue Fresco... não, não, que eu tenha visto ainda não está a ser transmitido em nenhum canal da TV portuguesa, o que não significa que eu não esteja a seguir a série.
 
Ora bem, o final da 5ª temporada acaba tudo aos tiros, a fugir e com o Bill Compton a beber o sangue da Lilith e a 6ª começa, exactamente, onde acabou a 5ª, isto é, com o Eric e a Sookie a fugirem do Bill Compton como o diabo da cruz. Nota de rodapé: Nós aqui somos super fãs do Eric Northman e achamos-lhe pilhas de graça, por isso é uma daquelas personagens sobre a qual nunca iremos abrir a boca para dizer mal. Também achamos pilhas de graça ao Lafayette e ao Jason Stackhouse e rebolamos no chão a rir com o sotaque do sul. Adiante, estava eu a dizer que a 6ª temporada começa com todos a fugirem do Bill Compton, o Sam e a Luna a resgatarem a filha desta última e o nosso lobinho de estimação, o Alcide (também não me importava de ter um destes lá em casa para fazer umas cóceguinhas na barriga e dar biscoitos), a assumir a liderança do pack ou alcateia... como preferirem.
 
Muito resumidamente, nesta 6ª temporada estoira a guerra entre humanos e vampiros (com muitas cenas a fazer lembrar o Underworld e o Blade no que respeita ao armamento e com direito a campos de concentração para vampiros e tudo), o Bill Compton não só anda passado da cabeça por ter bebido o sangue da Lilith, como também adquiriu outro tipo de poderes que os vampiros normais não têm. A Sookie Stackhouse, por sua vez, continua a ser perseguida devido às propriedades do seu sangue.
 
Então e quem é que persegue a Sookie Stackhouse? Pois é, é o jeitoso que se encontra aqui do nosso lado direito, cuja personagem dá pelo nome de Ben Flynn ou, por outras palavras Macklyn Warlow (o vampirão malvado, mencionado na 5ª temporada, a quem foi dada a posse da Sookie há muitos, muitos anos atrás).
 
Mas, como nem tudo o que brilha é ouro e eu ainda só vou no episódio número 5 (a temporada tem 10 episódios no total), não dá para adiantar muito mais acerca deste nosso novo parece-que-é-vilão-mas-afinal-talvez-não. O que dá para adiantar acerca deste nosso menino é que é um vampiro híbrido (anda de dia e de noite), foi criado por Lilith e é bastante antigo.
 
Outra nota de rodapé: Apesar de sermos super fãs do Eric Northman (não, o facto de ser nórdico não tem nada a ver com isto), também estamos a começar a ser muito fãs deste "piqueno", porque achamos que tem pilhas de potencial. 
 
Até agora, do que é que não estou a gostar muito? Bom, até agora aquilo que estou a gostar menos são os lobisomens. Não é que eu não goste do Alcide, tal como já mencionei não me importava de ter um lá em casa a fazer de cão de guarda, mas ...roulottes, barracões pré-fabricados, poeira e demasiada testosterona que rosna e faz chichi em todo o lado para marcar território, não é muito a minha onda. Talvez quando começarem a mostrar os lobisomens como um bocadinho mais evoluídos eu mude de opinião, até lá... trela, açaime e canil são acessórios indispensáveis... e coleira anti-pulgas também. Dá muito jeito no verão.  
 
De momento, parece-me que é tudo o que tenho para dizer em relação à 6ª temporada do True Blood. Hoje à noite vou ver mais uns episódioszitos e depois logo vejo se há mais novidades.      
Sex | 09.08.13

Strider - Senhores do Submundo - A Rendição mais Obscura (The Darkest Surrender) - Livro 8

Helena R. Moisio
Ora bem, como já devem ter reparado eu não sigo nenhuma ordem especial quando falo destes livros. Aliás, na realidade, eu nem sequer falo do livro em si porque a intenção não é fazer um book review. Existem inúmeros book reviews sobre cada livro desta colecção, tanto em Português como em Inglês, e quem tiver interesse rapidamente os encontra espalhados por aí na internet. Normalmente, o que mais me atrai em qualquer obra é a força das personagens, o seu desenvolvimento, a sua natureza e a forma como esta é explorada. Na minha óptica, quando existe uma boa personagem, a história escreve-se a si própria sem ser necessário criar momentos artificiais. E é isso que, na minha opinião, acho que acontece nestes livros, independentemente, dos estereótipos e das situações descritas.
 
Assim sendo, a prenda de hoje é o "piqueno" Strider... quer dizer... isto dito desta forma pode, eventualmente, induzir em erro mas adiante... o que eu quero dizer é que vamos falar do Strider e não do pequeno apêndice que o acompanha... bom, é melhor ficar por aqui antes que a conversa descambe.
 
Quem é então este belíssimo rapaz?
 

Este moço loirinho, de 1,96 m e olhinhos azuis é o Guardião da Derrota e consorte da harpia Kaia (é caso para dizer que, efectivamente, há harpias com sorte). A história dele é contada no oitavo livro da série intitulado A Rendição mais Obscura (The Darkest Surrender). Devido à natureza do demónio que alberga este nosso "piqueno" tem de ganhar todos os desafios que lhe fazem. Se perder, sofre dores atrozes durante dias o que o deixa incapacitado.
 
Apesar de não ser um dos meus favoritos (porque ficou em 4º lugar e eu só podia escolher 3), é uma personagem com um excelente sentido de humor. Ainda que atormentado q.b. pelo seu demónio, não é dos que mais anda a chorar pelos cantos da casa e por falar em casa... *sorrisinho safado e maléfico*... era o tipo de rapaz que me dava muito jeito ter lá em casa, exactamente, por causa do seu demónio. Notem, o embrulho também é muito apelativo e tenho a certeza que me ocorreriam diversas formas de utilização, mas aquele demóniozinho tem um potencial extraordinário para a realização de tarefas domésticas.
 
Vejam bem, além dos homens de 1,96 m serem fantásticos para trocarem as lâmpadas dos candeeiros de tecto sem ser preciso ir buscar o escadote, se viessem com o bónus do demónio da derrota era uma espécie de paraíso na terra!
 
Imaginem só:
 
Lavar a loiça do jantar.
 
"Queridoooooo... fofinhooooo... Aposto que não consegues lavar aquela loiça toda numa hora." e zuca! Lá saía o rapaz disparado para a cozinha (Nota: pronto, convém dar assim um tempo razoável para completar a tarefa com sucesso que é para não o deixar incapacitado, senão lá nos saía o tiro pela colatra).    
 
Jantar fora.
 
"Amoreeeeeeeeeee.... lindooooooo.... Aposto que não me consegues levar a jantar ali a um restaurante no Lx Factory." e zuuum! Lá íamos nós a correr para o Lx Factory (Nota: Claro que nestas coisas convém especificar os locais onde queremos ir jantar, senão ainda acabamos no McDonalds ou no Pizza Hut).
 
Discussões.
 
"Estúpido! Aposto que não consegues trancar-te na dispensa e ficar calado durante 5 horas!"
 
Já viram, um rapaz destes nas mãos de uma pessoa criativa - como eu - era uma coisa linda. A minha casa estaria sempre arrumadinha. Fantástico.
 
É claro que um dos grandes ressentimentos do nosso "piqueno" Strider é, exactamente, a utilização indevida do seu demónio para fins mais... vá... lascivos, mas eu confesso que simpatizo muito mais com a ideia das tarefas domésticas. 
 
Et voilá, este é - em poucas palavras - o nosso amigo Strider.
 

Pág. 1/3