Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Anãozinho de Jardim

Livros e Desvarios

O Anãozinho de Jardim

Livros e Desvarios

Proposta da semana - O Projeto Jane Austen de Kathleen A. Flynn

HRM, 06.03.19

AJ_blogue.jpg

Consultar aqui

 

Não fosse o título falar da Jane Austen e eu não teria tido curiosidade em ver do que se tratava, até porque pensei que se tratasse de algo mais biográfico e menos ficção. Felizmente, estava enganada e este livro vou ler de certeza absoluta, desde logo porque tem viagens no tempo e este tema é sempre interessante.

 

Diz então a sinopse que a história decorre na Inglaterra de 1815 e versa sobre o seguinte:

 

Rachel e Liam são dois viajantes do futuro que chegam à antiga Londres com a missão mais audaciosa do que qualquer viagem no tempo que já ocorreu: encontrar Jane Austen, ganhar a confiança dela e roubar um manuscrito inacabado.

Ela, uma médica; ele, um ator. Selecionados e treinados cuidadosamente, tudo o que Rachel e Liam têm em comum é a admiração pela autora e a situação extraordinária em que se encontram – e que obriga Rachel a colocar seu jeito independente de lado e deixar Liam assumir a liderança enquanto se infiltram no círculo da família Austen.

Além do desafio de viver uma mentira, Rachel luta para diagnosticar a doença fatal de Jane. À medida que a amizade das duas se fortalece e o seu relacionamento com Liam torna-se complicado, Rachel faz de tudo para reconciliar seu verdadeiro eu com as convicções da sociedade do século XIX.

O tempo está acabando. Rachel e Liam conseguirão deixar o passado intacto?

Depois desse encontro com Jane Austen, a vida que os espera no futuro será o bastante?

 

Tendo o livro menos de 300 páginas, presumo que se leia rapidinho pelo que assim que acabar o que estou a ler agora vou passar este para a frente 

Proposta da semana - A Garota no Gelo de Robert Bryndza

HRM, 27.02.19

AJ_blogue.jpg

Consultar aqui

 

Não sou muito dada a policiais/thrillers, mas confesso que este livro me desperta alguma curiosidade porque a história parece interessante e a grande maioria das pessoas dá-lhe uma boa classificação. 

 

Poderão encontrá-lo disponível no website e-livros, todavia e ao contrário do que acontece com o site le livros, para acederem ao mesmo precisarão de se registar. O le livros parece estar um pouco engasgado (o que como calculam é natural), pois perderam um patrocinador e precisam de apoio para poder manter a hospedagem.

A Casa da Floresta - Marion Zimmer Bradley

HRM, 08.03.17
Clicar Aqui

Ontem não publiquei nada porque estava a aguardar, especificamente, pelo dia de hoje em que se celebra o dia internacional da mulher.

O livro que escolho para este dia é a "Casa da Floresta" da Marion Zimmer Bradley, que é - nada mais, nada menos - que a minha autora favorita. E é a minha autora favorita não só pelo género de livros que escreveu mas porque todas as suas personagens principais são mulheres e as histórias são sempre contadas pelo ponto de vista feminino.

O livro "A casa da Floresta" retrata mais um capítulo da batalha de antigas deusas contra a dominação falocêntrica. Conta com uma narrativa empolgante, novelesca e tem como pano de fundo a luta dos romanos para garantir suas conquistas na Britânia e a dos druidas para manter a paz. Aqui Marion Zimmer Bradley conta a história do amor proibido entre um homem e uma mulher que se vêem separados por duas culturas. Na floresta vivem as sacerdotisas da Grande Deusa, invioláveis, a salvo dos legionários e do poder de Roma. Este romance traz, mais uma vez, uma fascinante narrativa de revolta e religiosidade, no qual se destacam os ritos ancestrais e o espírito indestrutível de um povo ligado à terra e suas magias.

A Corte dos Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas - Vol.1

HRM, 21.01.17
Clicar Aqui

Este é o primeiro livro que consta na minha lista de leitura de 2017.

Por acaso ainda não o comecei a ler mas, já está no meu eReader à espera de uma oportunidade para encetar a sua leitura.

Gostei da sinopse e por isso resolvi adquiri-lo (sendo que esta noção de aquisição deve ser considerada num sentido bastante abrangente). Em termos de conteúdo, diz que é um misto entre a Bela e o Monstro e a Guerra dos Tronos, algo que ainda merece alguma verificação da minha parte já que almejar a algo tipo Guerra dos Tronos é um objectivo bastante alto. Mas, temos esperança que assim seja daí que faça parte da lista.

Assim sendo, aqui na Le Livros, podem encontrar a versão em português se estiverem interessados em ler.

Boas leituras.  

Lista de Livros para 2017

HRM, 19.01.17

E eis que para 2017, esta é a lista de livros que o Anãozinho de Jardim se propõe a ler.

É verdade que só há um título em português mas, como já mencionei anteriormente para além de dar sempre prioridade às versões originais eu, praticamente, deixei de ler livros em português a partir do momento em que foi instituído o novo acordo ortográfico.

Talvez tenha sido uma posição um tanto ou quanto radical mas, ao fim ao cabo, até acabou por me sair mais barata e tudo porque, simplesmente, deixei de comprar livros em português (que toda a gente sabe que estão caríssimos). Na verdade, o meu consumo literário é cerca de 98% digital e 2% físico e não é que não goste dos livros em papel, gosto bastante de os ter e vê-los todos arrumadinhos nas estantes, só que:

1. Não estou disponível para pagar o preço que pedem por eles;
2. Não tenho paciência para longas esperas, e muitas vezes até que um livro chegue do produtor ao consumidor.

Assim sendo, viva o digital!
Até porque assim não andamos a desbaratar florestas para produzir papel.

Contos de Natal Portugueses

HRM, 07.12.16
Clicar Aqui

Anda por aí à procura de contos de Natal para celebrar esta época do ano quando, de repente, deparei-me com esta coletânea interessantíssima disponível na Luso-Livros.net.

É uma compilação de textos, histórias, poemas e lendas escritas por vários autores clássicos Portugueses e disponibilizada gratuitamente.

Espero que gostem.

A Arte de não ler

HRM, 04.02.16


E Schopenhauer diz: " A arte de não ler é muito importante. Consiste em não ter interesse no que quer que seja que prende a atenção do público em geral. Quando um panfleto político ou eclesiástico, novela ou poema gera grande comoção, lembrem-se que aquele que escreve para tolos encontrará sempre uma grande audiência. - A precondição para ler bons livros não é ler livros maus: pois a vida é curta"

A Arte e a Escrita

HRM, 04.02.16

«Arte, proveniente do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) pode ser entendida como a atividade humana ligada às manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada por meio de uma grande variedade de linguagens, tais como: arquitetura, desenho, escultura, pintura, escrita, música, dança e cinema, nas suas variadas combinações.

O processo criativo dá-se a partir da percepção com o intuito de expressar emoções e ideias, objetivando um significado único e diferente para cada obra.

Numa visão muito simplificada, arte está ligada principalmente a um ou mais dos seguintes aspectos:
  •  manifestação de alguma habilidade especial;
  •  criação de algo artificial;
  • Desencadear algum tipo de resposta no ser humano, como a sensação de prazer ou beleza;
  • apresentação de algum tipo de ordem, padrão ou harmonia;
  • transmissão de uma sensação de novidade e algo inédito;
  • expressão da realidade interior do criador;
  • comunicação de algo sob a forma de uma linguagem especial;
  • noção de valor e importância;
  • exercício da imaginação e a fantasia;
  • indução ou comunicação de uma experiência-pico;
  • coisas que possuam reconhecidamente um sentido;
  • coisas que deem uma resposta a um dado problema. »
In Wikipédia.

E isto, é o blá blá blá que encontram por aí espalhado e que de hoje em dia serve para justificar muita inutilidade e trivialidade sem qualquer tipo de sentido ou objetivo.
 
A arte é a expressão máxima da criatividade humana. É a exteriorização do mundo interior do artista, sendo que este processo é  uma relação dinâmica entre o sujeito e o seu objecto. Ora, nesta perspetiva temos de admitir que quando escrevemos, estamos - em primeiro lugar - a escrever para nós e só depois é que estamos a escrever para os outros. Com os outros apenas estamos a partilhar um pedaço do nosso mundo, através de um meio que, por acaso, pode ser um texto. Neste processo de partilha com o outro, também estamos a fazer outra coisa, que é integrar o outro no nosso universo. Esta é uma integração ocorre através das personagens e das suas vivências. Quando o outro se vê refletido nas vivências dos personagens, então sabemos que estamos a ser bem sucedidos.
 
Agora fazer isto é obra, porque juntar letras toda a gente - minimamente alfabetizada - consegue mas, isso não é o suficiente para nos transformar num escritor.